Follow me:

Profetas

Congonhas é uma cidadezinha do/no (?) interior de Minas Gerais, também conhecida como Cidade dos Profetas, na qual se localiza o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, declarado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Eu já visitei Congonhas algumas vezes, principalmente com a escola. Lembro-me de ter levado em uma excursão escolar do fundamental, aquela máquina fotográfica descartável (acho que era da Kodak) e de ter vomitado no corredor inteiro do ônibus na volta para casa. 😩

É nessa cidade que você pode ver boa parte das obras de Aleijadinho e os famosos 12 profetas esculpidos em pedra-sabão. Chegamos bem na hora do almoço e estava muito quente, tinha mais de um sol ali, sério. Até o cachorrinho procurou uma sombra para tirar a sua soneca.

A visita foi curta: o santuário, profetas, um museu interessante que explica tudo sobre a cidade e sobre as obras de Aleijadinho (a doença e o trabalho em equipe para terminá-las), e umas lojinhas fofas de artesanato para você gastar seu dinheirinho com coisinhas bonitinhas de Minas!

Engraçado, mesmo com todo o ateísmo que me habita, eu adoro visitar lugares religiosos. Igrejas barrocas banhadas em ouro, anjos com expressões de espanto ou ternura, o detalhe das esculturas, o desgaste com a ação do tempo, tudo isso me impressiona.

Tem até um hotel bonito, caso você queira ficar na cidade. Eu achei a cidade bem suja, não de lixo urbano, mas de poeira. A Vale está destruindo tudo ao redor, para variar.

Sobre as lojinhas: é a grande oportunidade de comprar canecas esmaltadas por um preço maravilhoso. Sobre a gafe: não tirei foto das canecas adquiridas, my bad.

Há também, na lateral da Igreja Central (da primeira foto), uma casa que recebe muitas visitas ao longo do ano: a Casa dos Milagres. As pessoas vão ali para deixar relatos de milagres atendidos e pedidos. Tem carta, fotografia, pedaço disso, pedaço daquilo, remédio, roupa, muita coisa mesmo.

Para mais informações (pois eu explico lhufas nesses posts), é só acessar aqui. Congonhas fica pertim de beagá e num pulo cê tá lá.

🎧 – Nothing Will Change, Sharon Van Etten

Previous Post Next Post

4 Comments

  • Reply Luiza

    Quero muito conhecer Minas algum dia. Tão bonito o contraste dos prédios brancos, as árvores rosadas, as estátuas antigas e o céu azul nas fotos. “A Vale está destruindo tudo ao redor, para variar.” é que é a parte triste, ainda mais se tratando de uma cidade tão antiga que as gerações futuras merecem conhecer também (e de preferência bem conservada e limpa, né?).

    August 21, 2016 at 9:26 am
    • Reply Izzy

      Você não chegou a conhecer quando ainda estava no Brasil? (puxando a sua orelha) Brincadeirinha! : )

      A influência portuguesa em Minas foi muito forte. E acredita que me lembro de você quando visito essas cidades históricas de Minas Gerais? Sobre a “atuação” da Vale nessas cidades: é bem triste mesmo. Mineração e lucro em primeiro lugar. As pessoas que moram na cidade e ao redor sofrem mais ainda. Uma pena.

      August 21, 2016 at 7:07 pm
  • Reply Alê

    Adorando conhecer os cantinhos de Minas pelo teu blog. Já visitei BH, Uberlândia, Juiz de Fora, Inhotim, Ouro Preto e pisei em Mariana antes da tragédia causada pela Vale… Inclusive quando fui pra BH foi pra ver o show do Interpol em 2008, vc tava lá?

    August 28, 2016 at 11:33 am
    • Reply Izzy

      Que bom, Alê! Eu gosto bastante de Minas, principalmente do interior e da roça mesmo, hahaha. : )
      Você conhece bastante coisa já! Uberlândia eu não conheço e eu nunca visitei Inhotim. NUNCA. Eu me arrependo amargamente disso.
      Não acredito que você tava naquele show! Como foi? GENTE! *.* Um amigo meu foi e disse que tava meio vazio, que BH não merecia essas bandas e tal. Eu não estava lá, eu não fui, esnobei Interpol e não achava “grandes coisa” na época. Hoje eu sonho com um show dos caras e Paul Banks maravilhoso, não creio que perdi, vou chorar.

      August 29, 2016 at 7:24 pm

    Leave a Reply