Follow me:

Obsolete World

Conheci Jeannie Lynn Paske através da banda Eluvium. Até mostrei um disquinho deles aqui. Sempre fiquei encantada com a música feita pelo Matthew Cooper e com a arte dos discos. Jeannie deu vida aos álbuns da banda com suas ilustrações suaves, melancólicas e belas.

All Innocent To The Fascinating Combination Of Absurdity And Devotion

All Told

At Least One Conscious Observer

In The End It Didn’t Matter Which Path He Had Taken

Os monstros da nossa infância parecem inofensivos nos fundos aquarelados de Lynn. Os títulos das obras também são lindos, não?

One Hour From Sundown

The Assumed Order Of Consequence

We Are Their Sky

One That Could Not Have Been Otherwise

Eu não poderia deixar o Eluvium de fora dessa. Um domingo bem Prelude for Time Feelers para vocês.

 🍂🍂🍂

Links: Obsolete World e Eluvium

We Are The Ghosts We Think We See

Previous Post Next Post

6 Comments

  • Reply Rhayanna

    Bom dia, Izzy!
    No meu primeiro comentário tu me falou que seu blog era o mais abandonado da internet, mas até que estou achando ele bem movimentado, hehehe.

    Espero que o final de semana tenha sido bom.
    Adorei as ilustrações, os monstrinhos parecem tão tristes. snif
    Não diria inofensivos, mas diria esquecidos. Não sei de quando são as ilustras, mas se fossemos para interpretar nos dias atuais, antigamente, quando éramos crianças existia todo um medo, toda uma… posso dizer crença? kkk. Que nossos pais passavam para nós e morriamos de medo: do bicho papão, homem do saco e etc… Hoje conversando com as crianças não vemos esse tipo de medo, nem esse tipo de história, olhando para os monstrinhos vejo a carinha deles como se sentissem abandonados.
    Acho que viajei um pouco né?
    Heheheh
    Abraço e uma boa semana!

    April 25, 2016 at 8:53 am
    • Reply Izzy

      Oi, Rhayanna! Eu gostei justamente das carinhas tristes. Gosto desse semblante mais melancólico. As ilustrações são recentes, algumas são de 2015.

      Pode viajar tranquilamente, pelo menos aqui é de graça. : )

      Mas tínhamos essa crença mesmo. A coleção “Medo Vem, Medo Vai” (A Mulher dos Trapos, O Puxapé, etc.) marcou a minha infância. Já os primos mais novos eram mais destemidos ou os medos mudaram (a bateria do celular está para acabar – tá aí um medo moderno).

      Abraços!

      April 27, 2016 at 3:44 pm
  • Reply Luiza

    Que desenhos mais delicados. ♡
    Me lembrou as ilustrações de Where The Wild Things Are, que lembrou infância, que lembrou amor, inocência e simplicidade e por aí vai. Incrível como arte tem o poder de fazer essas coisas com a gente.

    April 25, 2016 at 1:25 pm
    • Reply Izzy

      Lembrou mesmo, Luiza! As ilustrações dele são lindas também!
      Ainda bem que temos a arte para nos lembrar dessas coisas, principalmente do amor e da simplicidade. Às vezes ela faz isso de modo delicado (como nas ilustras), às vezes de modo bruto, mas ela sempre nos transforma de alguma maneira. ♡

      April 27, 2016 at 3:58 pm
  • Reply Alê

    Elas também me lembraram de “Onde vivem os monstros”. Muito lindas e incrível o domínio que ela tem de fazer degradê.

    April 30, 2016 at 8:14 am
    • Reply Izzy

      É muito linda a arte dela! Imagino o quão difícil é fazer esses desenhos, mesmo sem entender nada sobre a técnica.

      May 2, 2016 at 11:00 pm

    Leave a Reply